Alexandre Garcia vem para Superminas 2019

Está chegando a Superminas 2019 e os preparativos para o evento, que acontece entre os dias 15 e 17 de outubro, no Expominas, não param.

Panificadores mineiros integram público da Fipan 2019

Representantes da Amipão vão participar da principal feira de negócios da indústria de panificação, confeitaria e de estabelecimentos que atuam no foodservice do país

Planejamento Tributário é pauta de encontro na sede da AMIPÃO

Atividade faz parte do projeto FIEMG Competitiva

Transmitir a visão geral da legislação tributária brasileira, destacando a importância dos tributos na composição dos custos e preços de produtos e serviços foi um dos assuntos da reunião realizada nesta quinta-feira, 11/07, na sede do Sindicato e Associação da Indústria Mineira da Panificação(AMIPÃO).

Empresas associadas e convidadas pelo sindicato participaram da atividade, que faz parte do projeto FIEMG Competitiva. O encontro abordou ainda temas como a relevância do planejamento tributário como diferencial competitivo para os negócios da empresa, os cuidados para evitar autuações fiscais, a forma correta de atendimento à fiscalização e as defesas possíveis do contribuinte.

Dia do panificador é celebrado pela Amipão

Entidade agora conta com um único presidente, que vai recepcionar cerca de 1200 convidados em tradicional Jantar do Panificador, no próximo dia 12 de julho.

Chegada do inverno aquece vendas de pratos quentes em supermercados e padarias de Belo Horizonte

Hoje, 21 de junho, começa oficialmente o inverno no Brasil.

Jantar do Panificador está chegando!

A 60ª edição do Jantar do Panificador, evento promovido pelo Sindicato e Associação Mineira da Indústria de Panificação (Amipão)

Pão doce: o coração das padarias brasileiras

Produto é o segundo mais vendido em comparação ao pão francês e tem toda uma relação emocional com o paladar dos moradores do país.

Qual será o significado do pão doce no mercado nacional? Digamos que o produto, muitas vezes, pode ser considerado o coração das padarias brasileiras. Afinal, é o segundo mais vendido em comparação ao pão francês e tem toda uma relação emocional com o paladar do brasileiro.

De acordo com José Batista de Oliveira, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (ABIP), “os pães doces não são, em geral, comprados por suas propriedades nutricionais. É um produto indulgente, um agrado. Há ainda uma relação afetiva com o produto, pois é comum o consumo logo na infância e carregamos essa afinidade até a vida adulta”.

Para Márcio José Rodrigues, diretor do Sindicato e Associação Mineira da Indústria da Panificação (Amipão), o sucesso dos pães doces “é devido às massas serem mais ricas e saborosas, já que contêm ingredientes mais nobres, como leite, ovos, gordura e açúcar. Os pães doces estão relacionados à indulgência e ao prazer na alimentação”, salienta.

Isabella Carneiro Santiago é diretora executiva da Padaria Vianney, uma das mais tradicionais de Belo Horizonte, Minas Gerais. Ela conta que o pão doce é feito no estabelecimento desde a sua fundação, há 26 anos, sendo que a atual produção anual é de 12 toneladas. “É um produto que agrada todas as idades. Em Minas, é tradição familiar servir, no café e lanches, o pão doce. A venda dos pães doces no ano de 2018 foi de aproximadamente R$ 300 mil”, destaca.

Na Padaria Vianney, é possível encontrar o pão doce nas versões pão doce redondo; pão de cachorro-quente; pão doce comprido; pão doce com coco; pão de hambúrguer simples; pão de hambúrguer com gergelim; pão com creme; pão de leite condensado mini; pão com ervas mini; pão de cebola mini; pão cearense; pão de milho; pão de milho com erva doce; pão de batata mini; pão de batata especial; pão de batata especial com queijo e pão sovado.

“O minipão de batata é o mais vendido da casa, pois é um pão que combina com patês, antepastos, manteiga ou até mesmo puro. Devido à possibilidade de combinações e sabores, são os mais procurados para lanches infantis, eventos corporativos ou até mesmo servir um lanche em casa ou tomar um café da manhã”, explica.

Segundo Oliveira, presidente da ABIP, essa grande variedade do pão doce é outro destaque do item. “A massa de pão doce é versátil e permite o desenvolvimento de uma série de produtos, com diferentes modelagens e acabamentos. Na padaria, isso significa trabalhar de forma mais eficaz o aumento do mix de produtos e o abastecimento da loja, com um item de maior valor agregado”. Além disso, ele esclarece que “o pão doce faz parte da categoria baked sweet goods (panificação doce – croissants, donuts e roscas) citada no estudo ‘Top 10 Global Consumer Trends for 2018’. No ano passado, essa categoria movimentou 3,1 milhões de toneladas na América Latina”.

MERCADO

Conforme a assessoria de imprensa da ABIP, a associação não possui estatísticas sobre a venda do pão doce no Brasil. Porém, o presidente Oliveira garante que “é fato que o produto é um dos principais itens de procura na loja, contribuindo para o aumento de mais de 5,87% das vendas de itens de produção própria em 2018, segundo estudo encomendado pela ABIP”.

Já Rodrigues, diretor do Amipão, informa que “segundo dados do Instituto Tecnológico de Panificação e Confeitaria (ITPC), no âmbito nacional, o volume total dos pães doces produzidos artesanalmente é de 15,34%, representando 870 mi toneladas. Já no processo industrial, a estimativa é de 14,4% cerca de 810 mi toneladas. A soma dos pães de massa doce é de 29,74% e Minas Gerais representa 11% do volume do mercado nacional”.

Rodrigues acrescenta ainda que “praticamente 100% das padarias brasileiras produzem o pão doce, sendo o segundo produto mais vendido nacionalmente”.

Em relação à grande variedade de pães doces encontrados no mercado, o diretor do Amipão argumenta que “no Brasil, notamos que, pela sua extensão territorial, cada região desenvolveu o produto de acordo com as matérias-primas disponíveis. Por exemplo, no Nordeste, um pão muito comum é o de coco, devido à abundância desse produto. No Sudeste, o sovado, as roscas e o pão liso apresentam um consumo maior”.

Já sobre média de custo e venda dos pães doces, Rodrigues relata que “o preço de custo varia de acordo com o processo de fabricação adotado, sendo que os custos mais altos são dos produtos artesanais em relação aos métodos industriais. Já o preço de venda tem variado de R$ 10 a R$ 70 o quilo, com preço médio de R$ 28”, especifica.

TENDÊNCIAS

Para dar continuidade ao sucesso do pão doce, diferentes variantes do produto estão sendo lançadas no mercado, que também apresenta algumas tendências para 2019.

Conforme ressalta Rodrigues, diretor da Amipão, já existem versões light de pão doce, que “são tendências, mas representam 8% do volume de pães macios produzidos. Os brioches de origem francesa e pães doces com fermentação natural são os que mais têm crescido no mercado e se tornado tendência”, afirma ele.

Oliveira, presidente da ABIP, enfatiza que o investimento em pães doces em versões com apelo mais saudável já é uma realidade no setor da panificação. “Já há versões orgânicas, veganas, com o uso de açúcares de frutas cristalizadas, por exemplo”, finaliza.

Vinícius Dantas assume a presidência do Sindicato das Indústrias de Panificação

É a primeira vez que a entidade e a Associação Mineira da Indústria de Panificação terão o mesmo presidente

A partir da segunda quinzena de junho, o Sindicato das Indústrias de Panificação (SIP) inicia uma nova gestão, quando o atual presidente da Associação Mineira da Indústria de Panificação (AMIP), Vinícius Dantas,
assume também a presidência do sindicato. É a primeira vez que uma mesma pessoa estará à frente das duas instituições em um momento em que o segmento panificador se direciona para uma reinvenção alinhada às novas demandas do setor. Para superar esses desafios, Dantas destaca a colaboração das diretorias, dos servidores e dos associados.


“Eu fico muito satisfeito por esse desafio, tenho ao meu lado ótimos profissionais que compraram comigo esse novo momento. Tivemos excelentes histórias de gestão presidencial, muitas passagens que marcaram bastante as entidades, como a do Tarcísio e a do Batista
que foram muito importantes em seus papéis, mas agora os tempos demandam mudanças”

, aponta o presidente.

Entre os maiores desafios, Dantas cita a atual rejeição ao glúten, a expansão dos supermercados no meio da panificação e as novas formas de consumir no país.

“Há uma mudança de paradigma na composição de consumo do brasileiro e a gente vai se posicionar para atender essa demanda. A panificação é muito grande e a nossa capilaridade é muito importante”

Vinicius Dantas

Dantas conversou com a nossa equipe sobre essa nova jornada em que está prestes a embarcar, quais desafios espera encontrar pelo caminho e como pretende superá-los. Confira!

Pela primeira vez sindicato e associação terão o mesmo presidente. O que isso significa para o setor da panificação mineira?
Pela primeira vez, de fato, nós estamos com um único presidente a partir do dia 15, quando me torno também presidente do Sindicato. Isso é muito importante para o setor porque os processos ficam mais rápidos, principalmente os decisórios. Uma nova gestão é sempre uma vida nova.
A nossa intenção é criar ferramentas e produtividade perante aos nossos empregados para que a gente tenha uma postura mais rápida para o segmento, ajudando-o a se reinventar.

O que você espera dessa nova gestão?
Para essa gestão eu tenho a expectativa de que seja mais participativa, com os diretores colaborando mais. Esse é o grande pedido que tem sido feito
em todas as reuniões, que a gente tenha mais participação da diretoria e que o sistema deixe de ser tão presidencialista, exatamente pelo isolamento do presidente, que termina tendo que decidir por tudo o que
ocorre no segmento.

Como lidar com as particularidades de cada uma das instituições em uma gestão integrada?
As particularidades de cada uma das instituições serão colocadas no papel quando o momento for adequado, quando o conceito e o conteúdo for político e realmente técnico. Nós temos pessoas capacitadas nas nossas dependências e que, com certeza, irão colaborar, com a nossa participação e direcionamento, para que todos mostrem seu profissionalismo em sua
área de atuação.

Quais os desafios você acredita que irá encontrar?
É um momento novo, no qual o consumo e seu próprio conceito atingem, de certa forma, o principal produto de venda nas padarias. Nós vamos ter que
nos reinventar. Isso é muito importante e é um desafio que mexe muito com a nossa ideologia.

Como fazer para superá-los?
Para superá-los haverá muito trabalho. Sabemos disso, mas nós vamos descobrir a origem de tudo aquilo que foi feito e que nos prejudicou, para que a gente mostre que há alguns equívocos de conceitos. Então, se for necessário, vamos, por exemplo, às faculdades de nutrição e de gastronomia defender que realmente a questão do glúten é um equívoco. O que se tem hoje de resistência ao glúten passa um pouco pela falta de consumo do produto, ou seja, é a abstinência que provoca as reações causadas pelo glúten.

“Para essa gestão eu tenho a expectativa de que seja mais participativa, com os diretores colaborando mais. Esse é o grande
pedido que tem sido feito em todas as reuniões, que a gente tenha mais participação da diretoria e que o sistema deixe de ser tão
presidencialista.”

Como você vê essa nova presidência?
Eu fico muito satisfeito por esse desafio, tenho ao meu lado ótimos profissionais que compraram comigo esse novo momento. Tivemos excelentes histórias de gestão presidencial, muitas passagens que marcaram bastante as entidades, como a do Tarcísio e a do Batista. Foram muito importantes em seus papéis. Os tempos demandam mudanças. Hoje temos os supermercados com uma linha muito glamourosa de produtos, mas a gente sabe que a panificação tem uma capacidade e uma capilaridade muito maior para se posicionar. Realmente, o momento é oportuno:
acreditamos que essa oportunidade vem juntamente com uma mudança de paradigma na composição de consumo do brasileiro e visamos nos posicionar para atender essa demanda. A panificação é muito grande e a nossa capilaridade é muito importante.

Alimentação fora do lar é tema de seminário Belém

O mercado de alimentação fora do lar não para de crescer. O setor acumulou resultado positivo em 3,5% em 2018 frente ao ano anterior.

Evento faz parte do Circuito Nacional Padaria Conceito e chega a Belém com expectativa de reunir 200 profissionais de panificação, confeitaria, bares, lanchonetes e restaurantes com palestras de gestão e aulas de produção

O mercado de alimentação fora do lar não para de crescer. O setor acumulou resultado positivo em 3,5% em 2018 frente ao ano anterior. Impactando significativamente nesse indicador está o resultado das padarias e confeitarias brasileiras, que em 2018 fecharam o ano com faturamento de R$92,63 bilhões – um incremento de 2,81% frente a 2017. Em Belém não é diferente: o ritmo de vida acelerado impulsiona o mercado a oferecer soluções cada vez mais efetivas ao cliente, que quer comer fora e comer bem.

Por isso, a fim de capacitar empresários e colaboradores do segmento, nos dias 04 e 05 de julho, a Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (ABIP) e o Sindicato da Indústria de Panificaçãoe Confeitaria do Estado do Pará (Sindipan PA) realizarão o Circuito Nacional Padaria Conceito, na FIEPA, em Belém.

Com foco em ações que fazem as empresas lucrarem mais, o evento terá início no dia 04/07 (quinta-feira), às 09:30, com visita ao espaço de negócios seguida de palestras técnicas com foco gerencial. Na parte da tarde, a programação conta com palestras show e capacitação de mão de obra. Já no dia 05/07 (sexta-feira), o evento se inicia às 09:00.

A programação é voltada para panificadoras, confeitarias, supermercados, hotéis, bares, restaurantes, lanchonetes, pizzarias e os principais fornecedores da cadeia produtiva do setor de food service, envolvendo empresas parceiras que oferecem instalações comerciais, máquinas, equipamentos, matérias-primas, embalagens e sistemas operacionais, além de produtos finais como bebidas, frios, sorvetes, chocolates e muitos outros de revenda direta nos estabelecimentos comerciais.

“Nossa expectativa é grande. Serão dois dias de muito conhecimento, troca de experiências e apresentação de tendências e temas que impactam na produtividade e sustentabilidade de nossos negócios”, define André Carvalho, presidente do Sindipan PA.

Para José Batista de Oliveira, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria, o cenário competitivo do mercado indica, cada vez mais, a necessidade de se adaptar às mudanças e promover o pleno atendimento das demandas dos clientes e de seus momentos de compra. “É mais que uma necessidade mercadológica. É uma questão de sobrevivência. Por isso, o seminário foi construído baseado no perfil de mercados das padarias de Belém e região, buscando trazer aos empresários conteúdos e dicas efetivas e de fácil implantação, para que ele saia do evento e volte para a loja já com ideias de aplicação imediata – a combinação de sucesso que agrada tanto aos empresários que vão aprender novos conceitos, quanto aos clientes que vão desfrutar de novidades”, afirma.

Interessados poderão se inscrever pelo Sympla através do link https://www.sympla.com.br/seminario-acoes-que-fazem-sua-empresa-lucrar-mais-exposicao-de-equipamentos-produtos-e-servicos__549850

O valor do investimento para o dia 04/07 é de R$30,00 por pessoa, incluindo almoço e de R$50,00 para duas pessoas, também incluindo almoço. Nos dias 05/07 as atividades são gratuitas.

Mais informações pelo telefone (91) 3241-1052.

PROGRAMAÇÃO:

### 04/07 – quinta-feira ###

-09:30 Credenciamento Público gerencial, empresários e tomadores de decisão
-10:00 Palestra “Gestão de Alta Performance na Panificação”, com Márcio Rodrigues (ITPC)
-11:00 Palestra “A virtude do lucro: gestão inteligente na panificação”, com Leonar Araújo
-12:00 às 13:30 Almoço e visitação aos stands de empresas parceiras
-13:30 Palestra-show “Oportunidades e produtividade em confeitaria e salgados na padaria”, -14:00 Palestra-show “Lucratividade com lanches e preparos rápidos”, com Mauro Costa
-15:00 Palestra-show “Pães de longa fermentação”, com Adimix
-16:30 Palestra-show “Sanduíches criativos para encantar o cliente”
-17:30 Degustação e networking, com visitação aos stands de parceiros

### 05/07 – sexta-feira ###

-09:00 às 12:00 Visita aos stands de parceiros, show room com equipamentos funcionando e espaço de negócios com condições exclusivas para os presentes no evento

* sujeita a alterações